fb google linkedin   icon login 48x 

FNAPF na Feira Nacional da Agricultura

FNA Santarem 2015

      

O presidente da Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais (FNAPF), Vasco Campos, participou, quinta feira, dia 11, numa mesa redonda promovida pela CAP – Confederação de Agricultores de Portugal, no âmbito do programa da Feira Nacional de Agricultura, em Santarém. Desafiado a falar sobre a “Dinâmica da Ocupação Florestal do Território – Economia e Regulação”, o dirigente da FNAPF manifestou a sua preocupação com aquilo que classificou de aposta “desenfreada” no eucalipto, atendendo, nomeadamente ao que estava preconizado nos Planos Regionais de Ordenamento Florestal.

“Os PROF previam a diminuição da área de eucalipto e isso não está a acontecer”, aludiu Vasco Campos, questionando, neste momento, “o papel” destes planos em termos de ordenamento da floresta, ainda que deixasse claro “não ter nada contra o eucalipto” nem o novo Regime Jurídico de Arborizações e Rearborizações, desde que se “cumpra o Plano de Gestão das ZIF”. Numa intervenção que contrastou com a de outros dirigentes do setor convidados, o presidente da FNAPF destacou o investimento “visível” em várias regiões do país em termos de prevenção, o que acredita vai ter reflexos no terreno, sobretudo ao nível da dimensão dos incêndios florestais, não tendo dúvidas que “fogos como os de 2003 e 2005 não se vão voltar a repetir pelo menos com aquela dimensão”. “Na parte que eu conheço, quem fez o trabalho de casa tem trabalho no terreno”, frisou aquele dirigente, para quem a floresta não pode ser vista apenas do ponto de vista da “produção”, pois “há uma floresta de conservação” que no seu entender é preciso apoiar, na medida em que “há determinadas zonas do país onde não é possível fazer qualquer tipo de floresta de produção rentável”.      Além de ter feito parte do Programa da Feira Nacional de Agricultura, em iniciativas alusivas à floresta, a FNAPF marcou ainda presença na edição deste ano do certame com um stand próprio no pavilhão do CNEMA, uma vez que a Feira de Santarém teve como tema central,em 2105, a Floresta Portuguesa.