fb google linkedin   icon login 48x 

COMUNICADO

FOTO

Relativamente ao título do Jornal Público de hoje, 1 de setembro de 2017, “Governo pode colocar bombeiros também na prevenção de fogos” “ Novo secretário de Estado quer “derrubar” muros e ver bombeiros a limpar matas”, no contexto de uma entrevista dada pelo Sr. Secretário de Estado das Florestas, Eng.º Miguel Freitas, ao mesmo Jornal, vem esta Federação reafirmar o seguinte:

  1. 1- O “modelo integrado de prevenção e combate” já existe e chama-se SAPADORES FLORESTAIS;

  2. 2- É neste modelo que o Governo deve investir e cumprir, imediatamente, o previsto na Estratégia Nacional para as Florestas de 2006 e acabar de criar as 500 Equipas de Sapadores Florestais aí designadas como o número mínimo para a estratégia de Defesa da Floresta Contra Incêndios;

  3. 3- “Limpar matas” implica planeamento e Engenharia Florestal. ”Limpar matas” não é uma qualquer atividade desgarrada, como quem limpa o chão de uma casa, mas sim uma ação de cariz técnico e integrada com outras ações de âmbito florestal;

  4. 4- Os bons exemplos de algumas Equipas de Sapadores Florestais geridas por organizações de Proprietários Florestais e ainda de outras entidades que possuem meios pesados de combate a incêndios florestais, levam-nos a defender como sendo esse o caminho a tomar;

  5. 5- Assim devem ser alocados às Equipas de Sapadores Florestais, que se constituam em Brigadas, meios suficientes para estas exercerem as suas funções no combate, aproveitando as suas capacidades em pleno;

  6. 6- São as Equipas de Sapadores Florestais e os Engenheiros Florestais que as coordenam os mais bem preparados para exercerem as funções de combate em fogos florestais. São eles que trabalham todo o ano na floresta, planeando e executando, conhecendo como ninguém os caminhos, as faixas de gestão de combustíveis, os povoamentos e as pessoas.

  7. 7- Por último lembramos que 98% da propriedade florestal portuguesa é privada e as políticas de prevenção e combate aos fogos florestais devem envolver e incluir os legítimos proprietários, bem como as suas organizações.

A Direção